sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

[NÃO ENTENDI, CACAU III]



te dedico. pras milhares de pessoas que se questionam (inclusive eu) das duas palavras tatuadas nos antebraços do mocinho max. digo que AINDA não é nada claro pra mim. elucubro com base em psicologia mundana pra decifrar esse código. particularmente, acho muito sério uma pessoa tatuar qualquer frase que seja no corpo sem maiores fundamentos. mas, né. tudo é possível. ontem, pessoas de vivência usaram calcinha como loção demaquilante.


acredito que, profissionais que lidam com criação (pessoas que se prezam, ok?), usam o trabalho como instrumento de “busca” de uma idéia. seja pra solucionar essa idéia, trabalhar um conceito, uma forma, um trauma de infância, dê o nome que você quiser.


sendo que o dono das tatoos é artista plástico, fica mais sério ainda, porque (hipótese!) existe um CONCEITO ali. de vida. que se entrelaça com o produto final de sua criação. então vamos supor que. ele não tatuou essas frases porque as viu no saco de pão da padaria, numa caçamba, ou num muro demi-demolido frente a uma balada proto-indie. vamos supor que ele é sério. faz arte com idéia-conceito. então o mocinho revela em rede nacional:


maximize-se (tatuado no braço direito, o lado racional): é como conquisto o mundo com o meu “eu”.
minimize-se (tatuado no braço esquerdo, o lado chamado de errado, de abstrato, que funciona ilogicamente): é como conquisto o mundo com minha "arte".


lógico que ele resumiu a ideia-conceito porcamente, e confesso que fiquei com dó dele por essa explicação mezzo boca. meio que vergonha alheia mesmo. até porque não sei se ele realmente tem essa idéia-conceito. pra piorar, não creio que haja alguém ali dentro com neurônio-base pra entender uma explicação melhor que essa. talvez o bial, mas eu não dou crédito pra quem desce o braço em mulher. continuando. sabemos que o max faz sua arte em “miniaturas de gente em biscuit”. logo, a primeira coisa que passa em minha cabeça é: não. é. possível. ele tá tirando com minha cara que ele quer conquistar o mundo com bonequinhos de bolo de noiva.


mas vai que, né.


tudo é possível.


e não sabemos se ele somente expôs o lado comercial de suas obras. vai que ele faz coisas sérias. descobriremos? queremos descobrir?


quanto ao "maximize-se", se ele tem dignidade, valores, honra, saberemos ao longo do programa. saberemos como é que ele quer conquistar o mundo. e o milhão. sabemos que ele é narcisista e que não sabe escolher amigos. que ele se veste de mulher pra fazer rir os outros. gosta de barbies. de teatro. de tatuar coisas imbecis no corpo.


água tem que rolar, gente. e as pessoas tem que rolar na lama. não arrisco ir mais a fundo. de verdade. é perda de tempo.


*não vi em momento algum nos arquivos pessoais do max menção à marta ballina. ela era a deusa das miniaturas. francamente. é como trabalhar na silicon valley e não saber quem é bill gates.

8 comentários:

Rainman Raymond disse...

marta ballina!

todo o marzipan do universo! tinha programa dela na tv que eu lembro :~~~

Mary W. disse...

eu pensei assim. q ao minimizar as coisas (biscuit) ele se maximiza enquanto ser. uma coisa assim.

SiriRica disse...

Eu tb pensei como a Mary W...além de que tem o péssimo trocadilho com o nome igualmente péssimo dele, né?! Foi mal ai quem se chama Maximiliano....mas, mto pouco sonoro....quase um trava-línguas. (ou só eu tenho essa coisa Claudia Raia na fala?)

jolie. disse...

"eu não dou crédito pra quem desce o braço em mulher." HAHAHAHAHHA!!

sim, ele é narcisista. sim, ele acha que "minimizando" as pessoas ele se torna algum tipo de deus, ou coisa que o valha, como a mary mesmo falou ae em cima, ele se "maximiza" e coisa e tal.

mas então. pra mim ele é só mais uma bee que vai na the week catar boy e tirar a camisa.
falei.

André Gonçalves disse...

tudo bobagem. perceba:
o nome dele é "max" (tá, é apelido, ótimo). entao, maximize-se.
para o "minimize-se", é algo "óbivil": a namorada dele se chama Mini (ou Minie, tanto faz).

remi malcoeur disse...

siririca e mary w.> até tem essa possibilidade de maximizar o eu ao minimizar o outro, mas ainda acho cedo demais pra falar qualquer coisa ´"a nível de". vai depender de coisas dentro da casa. qdo ele mostrar bem os dentes eu elucubro atéo fim o porque dessa porra dessas tatuagens.

andré > eu acho que vai além do trocadilho com o nome, pãs e talz. eu quero saber "o que" tem por trás dessa frase. e que tem algo tem. pode até ser merda. mas tem.

Julia disse...

AHAHAHAHhahahaha "artista plàstico" AHAHAHhahahahAHAHAHHAHA OE?

T. disse...

Meu nome é Tiago, não tenho nada a favor nem contra o Max. Na verdade, so assisi a um dia de BBB e acabei por encontrar seu blog por acaso.

Tenho tatuagens e te digo: tatuagem é uma coisa íntima, e a idéia dele só precisa ser relevante exclusivamente para ELE. É o corpo dele, sua escolha, e se ele tem um conceito aprofundado (na sua opinião), não precisa explicar para o resto do Brasil

E, acredite, pouco importa pra ele se você acha idiota ou não. Sei disso porque pouco me importa se as pessoas acham minhas tatuagens idiotas ou feias. Eu gosto delas, e elas são pra mim.